terça-feira, 21 de maio de 2019

RECRIAÇÃO HISTÓRICA “PONTE DO MOURO MEDIEVAL”


Dias 8 e 9 de junho, em Barbeita/Ceivães - Monção
Ponte do Mouro Medieval, iniciativa promovida pela Associação “Buraca da Moura” com apoio da Câmara Municipal de Monção, é a recriação histórica do Encontro de D. João l e do Duque de Lencastre, precisamente em Ponte do Mouro, lugar pertencente às freguesias de Barbeita e Ceivães.
Naquele encontro, realizado com pompa e circunstância no ano de 1386, estabeleceram-se as condições de cooperação militar entre os dois países, acertando-se os pormenores do casamento entre o Rei D. João I e D. Filipa de Lencastre, filha do Duque.
Nesta viagem ao passado, os visitantes poderão apreciar e viver todo o contexto histórico da época, degustando sabores tradicionais e participando nas recriações medievais alusivas àquele período: música e danças da época, torneios, animadores de rua, espetáculos de fogo, falcoaria, cânticos à capela, demonstrações de ofícios e mercado medieval.

C.M.

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Monção é o 7º município do distrito e 80º do país


Monção é o 7º município mais sustentável entre os 10 que enformam o Alto Minho, ocupando a 80ª posição entre os 308 em que se divide o território nacional, de acordo com o Rating Municipal Português recentemente divulgado pela Ordem dos Economistas.
No conjunto do país, Lisboa ocupa a 1ª posição e, no distrito de Viana do Castelo, o melhor é Ponte de Lima na 7ª posição.
O rating tem 25 indicadores ponderados, reunidos em quatro dimensões principais: 'governance', serviços ao cidadão, desenvolvimento económico e social, e sustentabilidade financeira.
Nestes, Monção situa-se na 272ª posição (“governance”), 26ª (serviços ao cidadão), 157ª (desenvolvimento) e 137ª (finanças).

quinta-feira, 11 de abril de 2019

MONÇÃO LIDERA VALE DO MINHO NA AVALIAÇÃO CONJUNTA DE NEGÓCIOS, VISITAR E VIVER


Naquele estudo, desenvolvido pela empresa “Bloom Consulting” pelo sexto ano consecutivo, Monção é o município da Região Norte melhor classificado na categoria de municípios com menos de 20 mil habitantes.

Numa avaliação conjunta de três áreas especificas (negócios, visitar e viver), o estudo anual “Portugal City Brand Ranking”, desenvolvido pela empresa “Bloom Consulting” pelo sexto ano consecutivo, coloca Monção em 1º lugar no Vale do Minho, em 4º no Alto Minho e em 33º na região norte do país, envolvendo 86 municípios portugueses. 

Este posicionamento positivo do Município de Monção ganha ainda maior expressividade e notoriedade considerando dois aspetos associados ao estudo. Por um lado, Monção é o município da Região Norte melhor classificado na categoria de municípios com menos de 20 mil habitantes. Por outro, ascendeu 7 posições em relação ao ranking de 2017, a segunda maior subida verificada na região norte.

Este estudo anual da empresa Bloom Consulting, designado Portugal City Brand Ranking, baseia-se em diversas fontes de informação, relacionadas com as três dimensões (negócios, visitar e viver). Os resultados finais deste ranking medem as perceções sobre determinado município, classificando o desempenho da sua marca de uma forma tangível e realista.

Na base do estudo, encontram-se três variáveis base: dados estatísticos (económicos, turísticos e sociais), procura online de temas relacionados com o município, e eficácia da comunicação online de cada município. Em conjunto, permitem analisar o sucesso da marca dos 308 Municípios Portugueses, bem como o desempenho destes na captação de novos investimentos, atração de turistas e fixação de novos residentes.

“A subida de Monção neste estudo, onde é avaliada a atratividade municipal em termos de dinâmica empresarial, captação turística e fixação de novos residentes, indica que estamos no caminho certo. Vamos continuar o nosso trabalho, com o apoio de todos os monçanenses, para consolidarmos esta posição e fortalecermos a nossa centralidade nesta região transfronteiriça”, referiu, a propósito, António Barbosa, presidente da Câmara Municipal de Monção.


Acesso ao estudo:

C.M.

sexta-feira, 29 de março de 2019

III EDIÇÃO DA FEIRA DA FODA COMEÇA HOJE

Certame gastronómico, com nome ousado e sabor autêntico, apresenta duas novidades: presunto de cordeiro e novo prato onde será servida a iguaria, feito em barro com a forma de alguidar.

Depois de duas edições bem-sucedidas, a terceira edição da “Feira da Foda” promete consolidar este evento gastronómico. Decorre entre hoje e domingo, dias 29, 30 e 31 de março, em Pias, numa organização da Confraria da Foda e Junta de Freguesia de Pias, apoio da Câmara Municipal de Monção e patrocínio de diversas empresas da região.

O programa reserva degustação do Cordeiro à Moda de Monção, conhecido como “Foda à Monção”, uma das 7 Maravilhas da Gastronomia Nacional, expositores com vinhos da região e artesanato regional, bem como espaços para os produtores de rés e máquinas agrícolas. Prevista também demonstração de tosquias e muita animação popular com ranchos folclóricos, grupos de bombos, tocadores de concertinas, e DJ´s.

A presente edição regista uma alteração do local da feira, passando a realizar-se no campo de futebol da freguesia, e assinala duas novidades: apresentação do presunto de cordeiro e do novo prato onde será servida a iguaria, feito em barro com a forma de alguidar.

Iniciando-se no dia 29, sexta-feira, pelas 18h30, com a colocação da placa “7 Maravilhas à Mesa”, na peça alusiva à Feira da Foda, com acompanhamento do Grupo de Cavaquinhos “Flor da Terra”, segue-se a cerimónia de abertura com a presença da Diretora Regional da Agricultura e Pescas do Norte, Carla Alves.

No sábado, pelas 10h30, está prevista a inauguração da Estátua do Emigrante, no lugar da Lapa. À noite, pelas 23h30, concerto com “ABBA Tribute”. No domingo, pelas 12h30, decorre o III Capítulo de Entronização da Confraria da Foda, sendo a tarde preenchida com o programa “Somos Portugal”, da TVI. O ponto final é colocado pelo Grupo “Sons do Minho”, com atuação a partir das 20h00.

Este certame gastronómico tem como finalidade a manutenção da qualidade e a garantia da genuinidade deste prato com história e tradição no concelho de Monção. Em setembro passado, foi distinguido como uma das 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa, no concurso da RTP, “7 Maravilhas à Mesa”

Inicialmente associado ao consumo familiar em dias festivos, o Cordeiro à Moda de Monção, de arroz pingado e com nome ousado “Foda à Monção”, tornou-se, desde há vários anos, uma referência na gastronomia monçanense, assumindo-se como um valioso e saboroso elemento diferenciador do nosso concelho.

E porquê o nome “Foda à Monção”?

A confeção deste prato em alguidar levado ao forno de lenha não só recupera o saber dos nossos antepassados como lhe adiciona um pouco de arte, carinho e profissionalismo das atuais cozinheiras. O nome artístico, digamos assim, reflete bem o caráter afável e bem-disposto dos monçanenses. Reza a história que:

“Os habitantes do burgo, que não possuíam rebanhos, dirigiam-se às feiras para comprar o animal. E, como em todas as feiras, havia de tudo, bons e maus. A verdade é que os produtores de gado, quando os levavam para a feira queriam vendê-los pelo melhor preço e, para que parecessem gordos, punham-lhes sal na forragem, o que os obrigava a beber muita água.

Na feira, apareciam com uma barriga cheia de água e pesados, parecendo realmente gordos. Os incautos que não sabiam da manha compravam aqueles autênticos “sacos de água” e, quando se apercebiam do logro, exclamavam à boa maneira do Minho: “que grande foda!”

O termo tanto se vulgarizou que o prato passou a designar-se, localmente, por Foda à Moda de Monção. De tal modo que é frequente, pelas alturas festivas (Páscoa, Corpo de Deus, Senhora das Dores e Natal ou Fim de Ano) ouvir as mulheres: “Ó Maria, já meteste a foda?”

C.M.

MÊS DA PREVENÇÃO DOS MAUS-TRATOS NA INFÂNCIA

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Monção associa-se, pelo oitavo ano consecutivo, ao Mês da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância, iniciativa promovida pela Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens.

Denominada “Serei o que me deres…que seja Amor”, a iniciativa decorre durante todo o mês de abril, através da realização de várias atividades de sensibilização e envolvimento da comunidade para esta temática. O arranque está previsto para esta segunda-feira, 1 de abril, com a colocação de laços azuis nas fachadas dos serviços públicos, comércio, associações e escolas.

No dia 4, quinta-feira, terá lugar a iniciativa “Brigada dos Direitos”, onde as crianças, com idades entre 6 e 10 anos, farão uma ação de sensibilização no campo da feira. No dia 30, terça-feira, realiza-se a sessão de encerramento com criação de laço azul humano pela Comunidade Educativa da Escola Básica do Vale do Mouro.

Ao longo do mês, as crianças vão contar a “história do laço azul” nas emissões diárias da Rádio Vale do Minho, sendo a mesma história publicada nas duas edições do quinzenário “A Terra Minhota”. No intervalo das sessões de cinema, no cine teatro João verde, será projetado um vídeo sobre a temática.

Os maus-tratos nas crianças e jovens é, infelizmente, uma realidade que ainda persiste na nossa sociedade. Esta iniciativa, como outras, visa sensibilizar a população e incentivar um esforço coletivo, envolvendo toda a comunidade portuguesa, com o objetivo de minimizar ou erradicar esta problemática social.

C.M.

domingo, 6 de janeiro de 2019

MUNICÍPIO FORTALECE SINAL DE WIFI MONÇÃO

Além de gratuito, o acesso à internet no Centro Histórico de Monção, Parque Desportivo Municipal e Parque das Caldas é agora mais fácil e rápido, permitindo que munícipes e visitantes possam ligar-se à rede sem fios de uma forma cómoda e segura.

Iniciado em 2015, o WIFI Monção conheceu um novo desenvolvimento com a instalação de mais dois hotspots no Parque das Caldas e a melhoria significativa do sinal nos hotspots existentes: Edifício do Loreto, Arquivo Municipal, Museu do Alvarinho, Cine Teatro João Verde, Sede da Banda Musical de Monção e Complexo de Piscinas Municipal.

No Parque das Caldas, os novos hotspots garantem acesso em toda aquela extensa área de descanso e lazer, local onde se realiza a Feira do Alvarinho de Monção, permitindo ampliar a cobertura existente, até agora circunscrita às zonas exteriores do Complexo de Piscinas Municipal, Balneário Termal e Campo de Futebol Sintético.

Além de uma maior velocidade, a autentificação revela-se também mais simples e rápida, bastando aceder e começar a navegar. Refira-se que a Praça Deu-la-Deu Martins e a Praça da República, bem como grande parte das artérias e largos do centro histórico, viram a cobertura melhorada, em virtude do reforço do sinal.

C.M.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

ALVARINHO E ARTE: UMA LIÇÃO DE VIDA

Um final de tarde apaixonante. Entre o Alvarinho de Anselmo Mendes e a Arte de Manuel Malheiro. Dois monçanenses de excelência. Provaram-se cinco vinhos de caraterísticas distintas. Olharam-se igual número de obras inspiradas naquele néctar precioso. Colhido num território de eleição. Monção e Melgaço.

A apresentação esteve a cargo de Ricardo de Campos. Falou de arte, vinho, amizade e criatividade. Um brinde a tudo isso. António Barbosa sublinhou a ligação perfeita entre o Alvarinho e a Arte. E agradeceu a demonstração de amor à terra de Anselmo Mendes e Manuel Malheiro. Grandes talentos que primam pela diferença, disse.

A história do Alvarinho foi contada por Anselmo Mendes. Romanos, monges, enólogos, empresários. Um trajeto que fez do vinho muito mais que uma simples bebida. Trata-se, acentuou, de um produto cultural gerado com esforço, paixão e cumplicidade.

Manuel Malheiro não falou. Deixou que fosse Helena Mendes Pereira, curadora com ligações à Bienal de Arte de Cerveira, a traduzir com palavras assertivas, as pinturas expostas na sala do território do Museu do Alvarinho.

Enalteceu o relacionamento apertado, quase umbilical, entre o Alvarinho e a Arte. A profundidade, o aroma, a acidez de um lado “aconchegada” no espaço, colorido e textura do outro. Olhamos melhor. Abanamos a cabeça. Na vertical.

Vieram os copos de pé alto. Com Alvarinho dentro. Para mais uns minutos de conversa e aprendizagem. Sobre Alvarinho e Arte, claro. Aqui está mais uma das Expressões do Alvarinho. Saímos a saber mais do que entramos. Afinal de contas, tanto um como outra são uma lição de vida.

C. M.