sábado, 25 de março de 2017

"TERRA NOVA" RENOVADA

A Câmara Municipal de Monção autorizou, na última reunião do executivo realizada na biblioteca municipal, a abertura de procedimento concursal e respetivas peças processuais para a empreitada “Requalificação da Praça da República”. O preço base é 581 mil euros, acrescido de imposto, para um tempo de execução de 365 dias.
A intervenção incide na Praça da República e arruamentos envolventes. Casos da Rua 25 de Abril, Largo da Alfândega, Rua da Estação e Rua Eng. Duarte Pacheco. O objetivo geral é tornar mais visitável o centro histórico da vila, proporcionando a residentes e visitantes espaços atrativos e funcionais.
Os trabalhos previstos constam da beneficiação total da Praça da República, recuperando pavimentos, jardins, mobiliário urbano, iluminação pública e infraestruturas de abastecimento de água, saneamento e águas residuais. Será instalado um parque infantil e uma rampa de acesso para pessoas com mobilidade reduzida no posto dos Correios. 
Os passeios da envolvente à praça serão alargados, revestidos a lajedo de granito com diferenciação de relevo e utilização de diferentes materiais no acesso às passadeiras. Estas serão elevadas ao nível da praça e passeios envolventes, melhorando o acesso a pessoas com incapacidade visual ou mobilidade reduzida.

A configuração dos passeios definirá os locais de estacionamento e o seu alargamento impossibilitará o estacionamento abusivo em zonas proibidas. Localizados estrategicamente, serão criados lugares para pessoas com mobilidade condicionada. Nos arruamentos envolventes, já mencionados, a intervenção passa essencialmente pela requalificação dos passeios.

C.M.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

RALI À LAMPREIA ANIMA MONÇÃO


Este domingo, 26 de fevereiro, Monção recebe meia centena de participantes na perícia automóvel e milhares de portugueses e galegos nas ruas e varandas do centro histórico numa jornada de promoção da Lampreia do Rio Minho. Provas às 11h00 e 16h00. Restaurantes de portas abertas para receber visitantes e munícipes.

Nos fins de semana 25 e 26 de fevereiro e 4 e 5 de março, o Município de Monção aposta forte na Lampreia do Rio Minho com diversas atividades destinadas a todos os públicos. O ponto alto será o Rali à Lampreia, perícia automóvel no centro histórico da localidade que decorre este domingo, 26 de fevereiro.

Promovida pela Câmara Municipal de Monção e Sport Clube do Porto, a 40ª edição deste emblemático e entusiasmante rali urbano engloba duas provas marcadas para as 11h00 e 16h00, prevendo-se a presença de meia centena de participantes portugueses e espanhóis e milhares de portugueses e galegos nas ruas e varandas do casco urbano monçanense.

Na hora do almoço, os restaurantes estão de portas abertas para receber visitantes e munícipes. Participam 27 restaurantes do concelho com uma ementa dedicada à lampreia, desde a mais tradicional, com arroz ou à bordalesa, às abordagens mais contemporâneas como empanada ou sushi. 

No dia anterior, sábado, está prevista a iniciativa “Rali a Pedais”. Provas de karts abertas ao público durante o dia, a partir das 15h00, onde o público poderá sentir a emoção de conduzir um kart a pedais num circuito criado na Praça Deu-la-Deu Martins. A partir das 21h00, no Largo do Loreto, decorre uma prova inter-freguesias.

No sábado seguinte, 4 de março, pelas 10h00, realiza-se o “Trilho das Pesqueiras”, percurso com uma extensão ligeiramente superior a 6 quilómetros com um grau de dificuldade moderado/fácil. Oportunidade para caminhar junto ao rio Minho, vivenciar a pesca de outrora e desfrutar de um património secular identitário da nossa realidade ribeirinha: pesqueiras e moinhos. Informações/Inscrições: turismo@cm-moncao.pt

No período da tarde, com início às 15h00, decorre um peddy paper familiar. Um convite ao conhecimento das “coisas” do concelho de Monção e à passagem de momentos agradáveis com familiares e amigos. Ocasião para juntar o útil ao agradável: aprender e conviver. Informações/Inscrições: patrimonio@cm-moncao.pt

A partir das 18h00, realiza-se o 2º Rali Gastronómico da Lampreia. Sete bares convidam a uma noite diferente com apresentação de acepipes de lampreia. Cada participante neste “rali” terá um passaporte que deverá selar, comprovando a sua passagem (com degustação e consumo de bebida) por cada um dos bares aderentes. Os três primeiros a completar o circuito recebem prémios.

O primeiro prémio é um jantar de lampreia para duas pessoas no Restaurante Sabores, o segundo uma oferta termal para duas pessoas nas Termas de Monção e, o terceiro, uma caixa de Vinho Alvarinho MQ Vinhos – Vale dos Ares. Participam Cafetaria Lux, Chaplin Burger, Lés-a-Lés, Margem Bar, Pedrinha Bar, Porta 11, e Zoom Café. A noite termina com atuação do Grupo Melmusic, na Praça Deu-la-Deu.


No domingo, dia 5, realiza-se o 1º Encontro de Clássicos da Lampreia. O secretariado abre às 8h00 e, duas horas depois, inicia-se uma rota pelo concelho. À tarde, pelas 15h00, realiza-se a prova de regularidade. Informações/Inscrições: tmaventura@gmail.com.

sábado, 4 de fevereiro de 2017

DESEMPREGO: MONÇÃO É O CONCELHO DO MINHO COM MAIOR DIMINUIÇÃO PERCENTUAL NO ÚLTIMO ANO



Entre dezembro de 2015 e dezembro de 2016, Monção teve uma descida de 29,88%, equivalente a menos 188 desempregados (7 227 elementos na população ativa). Estes dados, publicados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional, colocam o concelho como o melhor, em termos de redução percentual, entre os 24 municípios da região do Minho. 

Para Augusto de Oliveira Domingues, este resultado positivo deve-se à atratividade fiscal do município e à vontade dos empresários nacionais e locais em investirem na nossa terra.

Entre dezembro de 2015 e dezembro de 2016, o desemprego em Monção diminuiu 29,88%, passando de 629 para 441 pessoas, equivalente a menos 188 desempregados. Este resultado, que remonta a números de uma década atrás, coloca o nosso concelho como o melhor, em termos de redução percentual, entre os 24 municípios da região do Minho.

Estes valores, publicados pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional na habitual avaliação mensal, refletem a opção fiscal e a estratégia de desenvolvimento do atual executivo municipal mas também a vontade e a capacidade dos empresários nacionais e locais que, nos últimos tempos, tem investido no nosso território.

O autarca local, Augusto de Oliveira Domingues, denota satisfação pelos resultados obtidos e persistência em trilhar o mesmo caminho: “Cerca de duzentas pessoas que, em finais de 2015 estavam no desemprego, encontram-se agora numa situação melhor. É positivo mas não chega. Faltam os restantes. É por eles que prometemos continuar a trabalhar com a mesma firmeza e determinação”.

Lembra ainda a importância do tecido empresarial na concretização deste resultado: “Tem havido um forte investimento privado no nosso concelho. Fruto da atratividade que oferecemos em termos de fiscalidade mas também da sua vontade em investirem na nossa terra. Um agradecimento a todos com destaque para os empreendedores monçanenses”.

O desemprego desceu em todos os concelhos da região minhota. No distrito de Braga, contabilizam-se agora 37 236 desempregados, menos 9 115 que em finais de 2015. No distrito de Viana do Castelo, assistiu-se à redução de 1 856 desempregados, situando-se agora em 8 440.  

Os concelhos de Vila Nova de Cerveira, com 24,85%, e Ponte de Lima, com 20,97%, acompanham Monção nos lugares cimeiros do posicionamento distrital. Relativamente ao distrito de Braga, a descida mais acentuada verificou-se no concelho de Amares com 25,55%. 

Aposta no emprego e fixação de pessoas

A criação de emprego e fixação de pessoas na sua terra é, desde sempre, o grande objetivo do atual executivo. Nesse sentido, a autarquia tem encetado diversas ações em distintas direções, evidenciando argumentos e medidas atrativas junto dos empresários.
Estas relacionam-se com taxas, tarifas e licenças a preços reduzidos, a ausência de derrama (Monção não tem imposto sobre o lucro tributável das empresas) e as condições criadas no Pólo Empresarial da Lagoa com acessos funcionais, lotes infraestruturados a valores favoráveis e instalação de rede de fibra ótica.

Outra razão de atratividade prende-se com a proximidade à Galiza. A cidade de Vigo, servida por aeroporto e porto de mar, está à distância de trinta quilómetros. Referência ainda para a criação do Gabinete de Apoio à Criação de Emprego, Empreendedorismo e Captação de Emprego (GACEECI), ajudando os cidadãos a “arranjar” emprego e esclarecendo os empresários sobre as vantagens de investirem em Monção. 

C. M.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

VIDA DESPORTIVA NO CONCELHO

Apesar de já estarmos no 2º mês do ano de 2017,aqui vos vou tentar esclarecer como vai a vida dos clubes de futebol cá do burgo monçanense. Vamos começar pelo escalão de seniores,sendo assim, a equipa do Desportivo de Monção que milita na 1ª divisão distrital está neste momento a ocupar a 11ª posição na tabela classificativa com 19 pontos num universo de 16 equipas e com 15 jogos realizados,sendo o 1º classificado a equipa do Atlético dos Arcos que soma 32 pontos,mas que perdeu o apuramento para os quartos de final da taça de Viana do Castelo precisamente no Manuel Lima frente ao Monção. Foi um jogo que durou até aos penaltis sendo o resultado de 1-1 tempo regulamentar 2-2 no prolongamento e 4-3 nas G.P..Na 2ª divisão militam as equipas do Moreira,Raianos e Longos Vales. Nesta altura os Raianos é a equipa mais bem classificada com 24 pontos na 7 posição num universo de 15 equipas e num total de 13 jogos disputados. O Moreira está em 13º com 9 pontos e o Longos Vales em último com 1 ponto apenas. O primeiro classificado é a equipa do Melgacense com 29 pontos.Na formação o Desportivo de Monção está em vários escalões a competir,coisa que não acontece nem com o Moreira e o Raianos que só tem formação abaixo dos juvenis,o Longos Vales não tem qualquer equipa na formação. Começamos pelos maiores (juniores)o Monção ocupa a última posição com 4 pontos em 15 jogos disputados i primeiro lugar é ocupado pelo Vianense com 43 pontos. No campeonato de juvenis da 1ª divisão o Monção está em 9º lugar com 13 pontos num universo de 11 equipas e 14 jogos disputados,curiosamente,também neste escalão é o Vianense o comandante com 35 pontos.Em iniciados a equipa do Monção e do Moreira ocupam a 1ª e 2ª posição,respetivamente com 21 e 23 pontos em 12 jogos disputados na 1ª divisão deste escalão, na 2ª divisão o Raianos está em penúltimo lugar com 9 pontos com 15 jogos disputados,sendo que o 1º lugar é ocupado pelo Barroselas B, com 37 pontos. Na série A de Infantis estão as 3 equipas monçanenses,o Moreira em 2º lugar com 27 pontos,o Monção em 7º com 15 pontos e o Raianos em penúltimo com 3 pontos em 10 jogos realizados,o primeiro classififcado é o Ancorense com 33 pontos. Em Benjamins Moreira 9º com 15,Monção 10º com 12 e Raianos 11º com 6 pontos,isto num universo de 15 equipas e 10 jogos efetuados onde o primeiro é o Cerveira A com 28 pontos. Finalmente em Escolinhas o Monção está em 3º lugar com 15 pontos e 10 jogos disputados,sendo o primeiro classificado o Cerveira com 22 pontos. Esperamos que as equipas Monçanenses piores classificadas consigam até ao final da época melhorar as posições e as que se encontram melhor,que se mantenham assim vitoriosas. Na próxima vez falarei sobre basquetebol e futsal

FRANCISCO FERREIRA

sábado, 24 de dezembro de 2016

ORÇAMENTO 2017: MUNICIPIO MANTEM TRANSFERÊNCIAS PARA AS UNIÕES E JUNTAS DE FREGUESIA

Valores, distribuídos de acordo com três critérios (igualdade, área e população), constam do plano e orçamento para o próximo ano, visando garantir maior autonomia de gestão às uniões e juntas de freguesia e assegurar a concretização de investimentos estruturantes para as populações locais. Valor global situa-se em 1.5 milhões de euros.

No próximo ano, a Câmara Municipal de Monção mantém a transferência financeira para as 24 uniões e juntas de freguesia. A distribuição, efetuada mensalmente entre janeiro e dezembro, tem um valor global de 1.5 milhões de euros, o mesmo montante que no corrente ano, assentando em três critérios: igualdade, área e população.
O primeiro representa 35% do valor total, sendo distribuído, de forma igual, para todas as freguesias. O segundo situa-se em 20% do valor total, sendo repartido em função da área em quilómetros quadrados de cada uma. O terceiro reflete 45% do valor total, sendo canalizado em função do número de residentes na freguesia (Censos 2011).
Os valores disponibilizados a cada freguesia destinam-se a comparticipar a realização de diversas obras que, desta forma, passam a desenvolver-se sob responsabilidade direta das respetivas juntas. Além da beneficiação da rede viária, serão contempladas intervenções na área social, cultural, desportiva e recreativa.
De acordo com Augusto de Oliveira Domingues, a distribuição destas verbas às freguesias tem resultado em pleno, permitindo a efetivação de dois objetivos: maior autonomia de gestão às juntas de freguesia e concretização de investimentos estruturantes para as populações locais.
Acrescenta: “Este é um verdadeiro orçamento participativo. Os presidentes de junta, com total conhecimento da realidade local, atuam em conformidade com as preocupações e prioridades da população. O balanço, como constato nas visitas de trabalho que efetuo às freguesias, é claramente positivo”. 
As transferências financeiras serão objeto de um protocolo de colaboração entre o Município de Monção e as juntas de freguesia, documento que engloba o montante específico a atribuir, as obras em que cada freguesia aplica a verba disponibilizada, a obrigatoriedade de comunicar o início e o termo de cada intervenção e as respetivas garantias de cumprimento.

A par destes apoios por administração direta das freguesias, o município inscreveu no plano para 2017 verbas específicas para a rede viária municipal, saneamento básico e abastecimento de água. Estas empreitadas, desenvolvidas pelo executivo municipal, decorrerão maioritariamente nas freguesias.

C.M.


quinta-feira, 24 de novembro de 2016

MONÇÃO É O SEGUNDO CONCELHO DO MINHO COM MAIOR EQUILIBRIO FINANCEIRO

Indicador, inserido no Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2015, coloca o nosso concelho na 26ª posição entre todos os municípios portugueses e na 9ª posição nos municípios de pequena dimensão (até 20 mil habitantes).

Monção é o segundo município da região do Minho, distritos de Viana do Castelo e Braga, com maior equilíbrio orçamental, sendo apenas superado por Viana do Castelo. O nosso concelho ocupa a 26ª posição entre todos os municípios portugueses e a 9ª posição nos municípios de pequena dimensão (até 20 mil habitantes).
Estes dados constam do Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2015, publicação apresentada na passada terça-feira resultante de um trabalho de investigação do Centro de Investigação em Contabilidade e Fiscalidade (CICF) em parceria com a Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC). 
Com coordenação de João Carvalho e desenvolvimento de Maria José Fernandes, Pedro Camões e Susana Jorge,  o Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses, tornado público pela primeira vez em 2003, é uma referência na radiografia das contas do poder local.
Para Augusto de Oliveira Domingues, o posicionamento de Monção no ranking do equilíbrio financeiro municipal é revelador de uma política rigorosa e criteriosa. Adiantou: “Temos gerido a Câmara num contexto de responsabilidade e crescimento, ajustando os nossos encargos financeiros e mantendo investimentos estruturantes em todo o concelho. Estes indicadores deixam-me satisfeito mas não me surpreendem”.

O equilíbrio municipal é um indicador bastante importante de sustentabilidade financeira dos municípios, resultando da comparação entre a receita corrente bruta cobrada e a despesa corrente acrescida das amortizações de empréstimos de médio e longo prazo. No caso de Monção, conforme se pode constatar no quadro referente ao exercício de 2015, resultou num saldo corrente de 3.624.742,00 €. 

C. M.


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

PARQUIMETROS: REUNIÃO COM COMERCIANTES E MORADORES. CENTRO COM MAIS UMA RUA PEDONAL E PASSEIOS LARGOS

Câmara Municipal e Associação Comercial ouviram os comerciantes e moradores sobre a continuidade ou não do estacionamento pago no centro histórico da vila. A breve prazo, será apresentada uma proposta para análise e votação no executivo municipal. 

A instalação de zonas de estacionamento pago no centro histórico da vila de Monção teve como finalidade a regularização do trânsito e “impedir” que os funcionários da Câmara Municipal, do palácio da justiça e das entidades bancárias estacionassem a sua viatura naquela zona durante todo o período laboral.

A concessão, que durou oito anos, terminou no passado mês de julho, equacionando-se agora a continuidade ou não do estacionamento pago. Nesse sentido, a Câmara Municipal de Monção e a Associação Comercial e Industrial dos Concelhos de Monção e Melgaço promoveram uma reunião de trabalho com os moradores e empresários locais para aferir a sua sensibilidade relativamente a esta questão.

Realizada ontem ao final da tarde, no Museu do Alvarinho, com a presença do autarca local, Augusto de Oliveira Domingues, a responsável pelo pelouro do urbanismo, Conceição Soares, e o representante da associação comercial, Vítor Alves, a reunião contou com a participação de cerca de vinte empresários que “lançaram” algumas sugestões e recomendações.

Ao longo de hora e meia de discussão, houve quem defendesse a extinção dos parquímetros com regresso ao estacionamento gratuito e sem limite de permanência e quem optasse pela sua continuidade com a introdução de algumas alterações ao regulamento inicial.

Entre estas, a gratuitidade da primeira hora de estacionamento, a entrega de cartões/passes a comerciantes e moradores, e a possibilidade de estacionamento livre durante todo o fim de semana, contrariando a concessão anterior que implicava pagamento ao sábado de manhã.

Assumido por todos que a concessão falhou devido à falta de fiscalização por parte da empresa responsável, é praticamente ponto assente que, em caso de permanência do estacionamento pago, a gestão do sistema passará a ser efetuada por funcionários da autarquia.

Ouvidos os empresários e moradores, segue-se, a breve prazo, a apresentação de uma proposta para análise e votação em reunião do executivo municipal. Entretanto, para não “enganar” os munícipes e visitantes, os parquímetros passarão a ostentar a mensagem “fora de serviço”.

Neste encontro, os autarcas esclareceram ainda que as intervenções futuras nas duas principais praças do centro histórico, Praça Deu-la-Deu e Praça da República, vão privilegiar o peão com mais uma rua pedonal e passeios mais largos, assistindo-se à diminuição dos lugares de estacionamento. 

C.M.