sábado, 29 de agosto de 2020

FUTEBOL NO DESPORTIVO JÁ MEXE

 Ainda com algumas indefinições quanto à nova época, nomeadamente as decorrentes da pandemia, a equipa principal de futebol do Desportivo de Monção retomou os treinos ao final da tarde da última segunda-feira, com Rogério Amorim, de 56 anos, natural das Neves (Viana do Castelo) a continuar ao leme. O plantel assenta no da última época. Saíram apenas três jogadores e entraram cinco caras novas, segundo o divulgado.

A equipa irá voltar a disputar a 1ª Divisão Distrital de Viana do Castelo. Na época passada ficou em 12º lugar, tendo a prova sido interrompida (e terminada) em março devido à Covid - 19.  Irá ainda disputar a Taça de Portugal, cuja primeira eliminatória é a 27 de setembro. O Desportivo é o o quarto representante do Alto Minho na Taça de Portugal, depois do Vianense, Limianos e Cerveira. Foi através de um sorteio envolvendo as equipas que, na altura da interrupção devido à pandemia, ainda se mantinham na Taça da Associação de Futebol de Viana do Castelo.

Entretanto, a Direção Geral da Saúde considerou o futebol como modalidade de médio risco. Por isso, fica isenta da necessidade de teste ao COVID 19, sempre que se trate de competições entre equipas de zona sem transmissão comunitária. Já naquelas em que esta existe, terá de haver um teste aleatório 48 horas antes dos jogos.

quinta-feira, 27 de agosto de 2020

CINE TEATRO JOÃO VERDE RETOMA ATIVIDADE A 4 DE SETEMBRO

 Após um período sem atividade cultural devido ao surto epidemiológico, o Cine Teatro João Verde (ctjv) reabre no dia 4 de setembro, sexta-feira, com a exibição do filme “Bem-Vindos a África”.

Nesse sentido, o Município, proprietário do espaço, alerta para o cumprimento das  normas e procedimentos:

 ️ É obrigatória a desinfeção das mãos à entrada do CTJV;

 ️ É obrigatória a utilização de máscara dentro e durante toda a permanência no CTJV;

 ️ É obrigatório um distanciamento social de 2 metros;

 ️ O acesso aos diferentes espaços será orientado pelos técnicos do CTJV;

 ️ A aquisição dos bilhetes, para cinema ou espetáculos, poderão ser adquiridos, antecipadamente, na Loja Interativa de Turismo, no CTJV ou na Bilheteira Online;

 ️ Os lugares das salas encontram-se dispostos mediante as orientações da Direção-Geral de Saúde e Proteção Civil, respeitando todas as normas e indicações para a segurança e conforto de todos os intervenientes;

 ️ Nas sessões de cinema e espetáculos deixará de existir intervalo, de forma a evitar a deambulação de espectadores;

 ️ Faça-se acompanhar apenas do indispensável;

 ️ Na entrada e saída da sala de espetáculos, obedeça às indicações dos assistentes de sala, respeitando a distância de segurança e permanecendo nos locais indicados, até nova indicação;

 ️ Não será permitido consumir alimentos no interior do CTJV;

 ️ Não será permitida a permanência de espectadores no interior do edifício, após o final do espetáculo;

 ️ As salas de espetáculos, assim como os locais de acesso, são higienizados com o máximo rigor, antes e depois dos eventos;

 ️ Em situação de suspeita de sintomas relacionados com o novo coronavírus, por favor alerte de imediato um assistente de sala.

 C. M.


sexta-feira, 14 de agosto de 2020

SEGUNDO CASO DE COVID

 Depois de mais de um mês sem nenhum caso, já há dois casos ativos de Covid 19 em Moncao. Desta vez tratar se a de um senhora também da zona do Vale do Gadanha, emigrante que estava em férias. O marido também fez o teste, mas deu negativo. A situação está controlada e limitada, dizem nos. É o segundo caso, depois de um emigrante tambem ter dado ha dias positivo num teste. 

Não há qualquer relação entre estes dois casos ativos em Moncao.

No Alto Minho, alem de Moncao, existem casos ativos em Viana do Castelo (12), Ponte da Barca (3), Ponte de Lima (2) e Caminha (1). Já Valença, V. N. Cerveira, Melgaço, Paredes de Coura e Arcos de Valdevez não têm registado qualquer caso ativo.

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

TEQBALL É NOVA MODALIDADE NO DESPORTIVO

O Desportivo de Monção vai contar, a partir da época 2020/2021, com uma nova modalidade, o recém-criado Teqball.


O clube lançou a secção de Teqball que vai ao encontro da estratégia de inovação do clube, criando assim oportunidades para famílias inteiras ou amigos se puderem juntar e praticar exercício.

O Teqball assemelha-se ao ténis de mesa, só que a mesa é curva e é jogado com uma bola de futebol. Pode ser jogada com qualquer parte do corpo, exceto as mãos.

O clube monçanense anunciou a novidade através da sua página de facebook, confirmando que a inscrição na Federação Teqball Portugal ficou ativa desde o passado dia 15 de julho, tornando-se o 49º clube federado a nível nacional.

Entretanto a Federação já tem mais de 50 equipas federadas e há várias equipas a treinar e a realizar torneios por Portugal inteiro.

“Juntos vamos crescer em mais uma modalidade. Em breve todos vão poder testar esta recente modalidade, criada em 2014, na Hungria por Gábor Borsányi, ex-jogador profissional, e Viktor Huszár, cientista”, pode ler-se no Facebook oficial do clube.

Apesar de ainda não estar definida uma data para o início da prática oficial da modalidade, as pessoas podem já começar a experimentar a modalidade no Estádio Manuel Lima. Para saber mais informações podem acompanhar as redes sociais do Desportivo de Monção.

A modalidade é representada pela Federação Internacional de Teqball. O desporto já conta com milhares de jogadores em todo o mundo e, depois de ser incluído nos Jogos Africanos de Praia, a modalidade procura também a inclusão olímpica.

          N.I./X.F.

 

MONÇÃO VOLTA A TER UM CASO ATIVO DA COViD-19

Monção volta a ter um caso positivo ativo da Covid -19. Isto depois de mais de um mês, desde 30 de junho, sem nenhum. Segundo nos informaram, tratar-se-á de um emigrante de férias numa aldeia próxima da zona do Vale do Gadanha.

“Está a ser devidamente acompanhado e monitorizado”, garante o Município monçanense em nota acabada de divulgar.

Na realidade, apesar dos constrangimentos provocados pela pandemia, ainda há muitos monçanenses que, fora da sua terra durante a maior parte do tempo, por razões profissionais, acabam por escolher esta altura para a visitar.

A população cresce, “potenciando a existência de encontros de amigos e reuniões familiares”. Por isso, a autarquia apela “a todos que evitem ao máximo concentrações de pessoas e tenham cuidados redobrados no dia a dia.”

Segundo dados já divulgados, Monção registou, desde março, 129 casos: um ativo, 117 recuperados e 11 óbitos.

Entretanto, a vizinha Salvaterra regista três casos ativos, todos no mesmo agregado familiar.

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Covid 19: Portugal sai da lista da Galiza que obrigava ao registo dos visitantes

Portugal deixou, esta quarta-feira, de fazer parte da lista de países territórios cujos viajantes para a Galiza tinham de se regista no âmbito da pandemia de covid-19, caso permanecessem mais de 24 horas.

A decisão foi hoje publicada oficialmente pela Xunta da Galizae e confirmado à Lusa pelo ministro Augusto Santos Silva.

Admitindo ter sido surpreendido, há cerca de 15 dias, com notícias sobre restrições à circulação dos portugueses na Galiza, Santos Silva explicou que o Governo pediu esclarecimentos às autoridades galegas, o que aconteceu numa reunião entre o presidente da Xuntada Galiza, Alberto Feijóo, e o embaixador português em Madrid, João Mira Gomes.zO encontro serviu para esclarecer que não havia restrições à circulação de pessoas oriundas de Portugal na Galiza, mas sim uma recomendação das autoridades de saúde galegas para que os viajantes se registassem, tornando um eventual contacto mais rápido e fácil.

Mas a reunião serviu também para alterar o processo de informação sobre os dados referentes à covid-19, adiantou o ministro.

"Combinámos com a Galiza um método: transmitirmos de imediato toda a informação sobre a situação epidemiológica portuguesa também regionalizada, portanto dando conta não apenas da evolução da situação nacional como das várias regiões do país", explicou.

Além disso, "acertámos uma reunião técnica das respetivas autoridades de saúde", onde foi passada a informação e "foi possível mostrar às autoridades galegas que o indicador que estavam a usar - que era sinalizar a necessidade ou conveniência do registo aos passageiros oriundos de territórios ou regiões que tivessem três vezes e meia mais casos nas últimas semanas do que a média galega -- não era preenchido pela generalidade das regiões portuguesas", avançou Santos Silva.

"Em resultado de tudo isto, na primeira revisão da lista, hoje publicada, Portugal é retirado dessa lista de recomendações", sublinhou o ministro, referindo que colocar as autoridades sanitárias, políticas e institucionais a dialogar "é um bom método".

A decisão hoje anunciada pela Galiza junta-se, como realçou Santos Silva, "ao conjunto de revisões de recomendações ou restrições impostas por diferentes Estados europeus", que têm reconhecido "a evolução positiva de Portugal" no número de infeções e vítimas do novo coronavírus.

"No fim da semana passada foi a Dinamarca, antes tinha sido a Grécia, a República Checa, a Roménia, Malta, entretanto a Eslovénia também alterou parcialmente as suas restrições, o mesmo se tinha acontecido com a Bélgica e os Países Baixos, para além da Hungria", exemplificou.

Segundo o Diário Oficial da Galiza, a revisão só retirou Portugal da lista, mantendo a imposição de registo para os viajantes das comunidades de Aragão, Catalunha, Navarra e País Basco e passando ainda a incluir também os de Madrid.

L.

terça-feira, 4 de agosto de 2020

SANTUÁRIO DA PENEDA ASSINALA 800 ANOS

É um santuário mariano onde muita gente aflui, nomeadamente da vizinha Galiza. Lá, em peregrinação ou romagem, ao longo dos anos (séculos), se digiram e dirigirem muitos monçanenses. Muitos deles, em grupos de caminheiros por montes e vales (e pela serra) caminham muitas horas seguidas, incluindo as noturnas. 

De igual modo, se conhecem famílias com raízes na Peneda que se radicaram em Monção, mas que nunca esqueceram as suas raízes.´É o caso, por exemplo, da professora Isabel Afonso que lá tem, para receber os amigos, a acolhedora Tasquinha o Tchocalho.

Além da religiosidade, tem também um caráter especial festivo e de encontro, registando-se o seu apogeu na primeira semana de setembro,.

Entretanto, já amanhã, dia 5 de agosto, iniciam-se as comemorações dos 800 anos de culto do Santuário de Nossa Senhora da Peneda. O culto a Nossa Senhora da Peneda remonta a 5 de agosto de 1220, data em que a Nossa Senhora apareceu a uma pastorinha e pediu que "fosse construída uma ermida em sua honra".

Com o objetivo de instalar um núcleo de visitação histórica, que represente os 800 anos do culto a Nossa Senhora da Peneda, a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez apoiou com 20.000,00€, o restauro de uma ala do Santuário, para aí conter um espaço expositivo, que permite aos visitantes viajarem no tempo e ficarem a conhecer os principais acontecimentos nestes 800 anos de existência, e a construção da Porta Jubilar.

Deste modo, esta quarta-feira será aberta a porta jubilar do Santuário de Nossa Senhora da Peneda pelo bispo de Viana do Castelo, oferecendo aos fiéis a oportunidade de visitar uma exposição cronológica do templo, desde 1220 até 2020.

Por causa da pandemia, a novena vai ser reduzida à oração de Laudes e à Missa, às 10h00, bem como à oração de Vésperas e do Rosário, às 17h00.

Estão também previstas iniciativas de âmbito cultural, no contexto dos 800 anos de culto a Nossa Senhora da Peneda, por parte do Comissariado para a Confraria e do Município de Arcos de Valdevez.

Salienta-se ainda que o Município de Arcos de Valdevez vai inaugurar um espaço informativo e interativo com a finalidade de promover o concelho, e em simultâneo prestar apoio aos visitantes.





ANSELMO MENDES É O NOVO PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DE PRODUTORES DE ALVARINHO

O novo presidente da Associação de Produtores de Alvarinho (APA) de Monção & Melgaço defendeu  a Denominação de Origem (DO) por considerar que seria a “cereja no topo do bolo” para um vinho de excelência.

Um dos objetivos da nova direção passa pela criação de uma Denominação de Origem (DO) para o Alvarinho, dentro da região dos vinhos verdes. É um objetivo que poderá demorar dois a três anos, para podermos criar uma sub-região ainda com maior excelência. A DO seria a cereja no topo do bolo“, disse esta sexta-feira, o enólogo Anselmo Mendes.

A nova equipa para o triénio 2020/2022, foi eleita no dia 22. A direção presidida por Anselmo Mendes integra ainda os produtores Joana Santiago, da Quinta de Santiago, e Paulo Rodrigues, da Quinta do Regueiro.

Outro dos projetos da nova direção, a concretizar nos próximos cinco anos, passa por “fazer a caracterização da região, criando uma “biblioteca” que “mostrará, de forma científica, a razão da diferenciação da sub-região Monção e Melgaço”.

“Queremos identificar as quintas que existem ao longo do vale do Minho, na sub-região Monção e Melgaço, para fazer uma zonagem vínica do território e criar uma biblioteca para a abrir à comunidade, aos jornalistas nacionais e internacionais da especialidade e aos produtores para se perceber que dentro de uma microrregião ainda há diferenciação”, explicou.

Segundo Anselmo Mendes o acordo que alarga, em 2021, a produção de Alvarinho a outras zonas do país, “fez crescer as vendas e a notoriedade do vinho” que se produz na sub-região, mas defendeu que “ainda há espaço para fazer mais”.
“Já demos um grande passo com o acordo e com o que se tem feito nesta região que é a locomotiva do vinho verde, mas ainda temos espaço para ir mais em frente. Não queremos só fazer promoção, mas também, juntamente com as universidades estudar um bocado aquilo a que chamam de ‘terroir’. Perceber melhor o que é que ele imprime ao vinho“, especificou.

Em 2015, a produção de Alvarinho foi alargada a outras zonas do país, fora dos dois concelhos do distrito de Viana do Castelo em resultado de um acordo alcançado pelo Grupo de Trabalho do Alvarinho (GTA), constituído pelo anterior Governo PSD/CDS e liderado pela Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (VRVV), defensora do uso da denominação Alvarinho aos 47 municípios que a integram.

A portaria (n.º152/2015), que permite liberalizar o uso da denominação Alvarinho na região dos vinhos verdes, estabeleceu que a exclusividade de Monção e Melgaço na produção de Vinho Verde Alvarinho se manteria até 2021.

L.