sexta-feira, 25 de setembro de 2020

DESPORTIVO É O ÚNICO CLUBE DO CONCELHO COM EQUIPA DE FUTEBOL SÉNIOR

 Na época 2020/2021, o Desportivo é o único clube do concelho de Monção a disputar uma prova federada a nível de futebol sénior. Isto depois do Raianos ter decido ter equipas só nas camadas jovens.

O campeonato do Campeonato da 1ª Divisão da Associação de Futebol de Viana do Castelo inicia-se no próximo 4 de outubro, domingo, com o Desportivo a receber o Castelense.

 A prova terá 18 equipas dividas por duas séries. Na do Desportivo de Monção (A) estão Melgacense, Valenciano, Courense, Ponte de Barca, Campos, Neves, Lanheses e Castelense.

Na outra (B), figuram Atlético dos Arcos, Távora, Âncora Praia, Vitorino de Piães, Limianos, Correlhã, Ancorense, Cardielense, e Barroselas.

Passando à fase seguinte os três primeiros de cada uma das séries.

MUNICÍPIO APETRECHA BIBLIOTECAS ESCOLARES COM NOVAS PUBLICAÇÕES

 As bibliotecas escolares têm um importante papel formação de leitores e na capacitação criativa das crianças. Desde cedo, tomam contacto com o mundo dos livros, aprendendo a cuidar deles, com carinho, e embarcando numa aventura entusiasmante, repleta de curiosidade e conhecimento.

Há quem diga que “não há nada mais apaixonante que o amor por um livro” ou que “na leitura sobressaem sensações fantásticas que alegram qualquer dia sombrio”. Frases verdadeiras. Que começam a fazer sentido nas bibliotecas escolares, com o folhear das primeiras páginas ilustradas.

 Consciente do papel incentivador, criativo e, até, igualitário, desempenhado pelas bibliotecas escolares na promoção da leitura junto dos mais novos, a autarquia monçanense procede, em cada ano letivo, ao apetrechamento daqueles espaços pedagógicos com novos livros.

 Este ano não é exceção. As quatro bibliotecas escolares (Monção, Tangil, Mazedo e Pias) viram reforçado o seu espólio literário com a oferta de várias publicações infanto-juvenis, recomendadas no Plano Nacional de Leitura, da autoria de conhecidos escritores portugueses.

 Com esta iniciativa, pretende-se alargar o número de publicações ao dispor dos alunos, através da inclusão de publicações lançadas nos últimos tempos, facilitando, ainda, um contacto com a escrita de autores consagrados e recentes da literatura nacional.

C.M.

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

MONÇÃO COM 15 CASOS CONFIRMADOS DA COVID - 19

 Monção regista 15 casos ativos confirmados da Covid – 19, menos quatro que na semana passada, segundo informou hoje o Município.

Observa, a propósito, que os casos “estão sob vigilância das autoridades de saúde”, no cumprimento das determinações da Direção Geral de Saúde.

Até agora, Monção já teve 152 casos confirmados de Covid – 10, com 12 óbitos.

A nível do Alto Minho, Valença é o concelho com o maior número de casos ativos, 65, seguido de Viana do Castelo com 50.

No total, o distrito de Viana do Castelo contabiliza 212 casos ativos confirmados.

Entretanto, o jornal I dá hoje conta de um estudo francês que prevê o pico da epidemia, em Portugal, na segunda semana de outubro.

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

DESPORTIVO: Supremo Tribunal confirma ilegalidade do valor das inscrições de jogadores comunitários

O Supremo Tribunal Administrativo (STA) rejeitou o recurso apresentado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e confirmou a ilegalidade do valor para a inscrição de jogadores comunitários, disse esta quinta-feira à Lusa o advogado do Desportivo de Monção.

Isaque Afonso, advogado do Desportivo de Monção, adiantou que na decisão, datada de 10 de setembro e comunicada ao clube na passada terça-feira, o STA "não admite o recurso da FPF por falta de fundamento".

Segundo Isaque Afonso "esta decisão não é passível de recurso" e vem confirmar o acórdão proferido em fevereiro pelo Tribunal Central Administrativo (TCA) do Sul, que "declarou a ilegalidade" da norma da FPF que estipula o valor da transferência de jogadores de clube estrangeiro para clube nacional, "por violação do princípio dr proporcionalidade".

Contactada pela Lusa, fonte da FPF referiu que o organismo "acata todas as decisões transitadas em julgado".

Em causa, está a norma contida no artigo 25 do regulamento do Estatuto, Categoria, Inscrição e Transferência de jogadores, de 30 de junho de 2015 e de uma norma da tabela do comunicado oficial, número 01 de 2018/2019, publicado em 30 de junho de 2010.

"A taxa cobrada pelas transferências em causa terá de ser proporcional aos custos incorridos pela FPF na condução de tal procedimento, ainda que seja mais complexo que o das simples transferências nacionais", refere a decisão do TCA do Sul.

Para Isaque Afonso o "trabalho do Desportivo de Monção está feito e vai beneficiar os restantes clubes amadores do país que não têm as condições dos clubes profissionais para pagar aquela taxa de inscrição".

“Um clube amador que recorre a um jogador estrangeiro não consegue pagar o valor cobrado pela inscrição de jogadores estrangeiros. São 1.065 euros pela inscrição de jogadores comunitários e 37 euros pelos jogadores nacionais”, especificou.

L.

Portal junta acervo das bibliotecas do Alto Minho

                                                                Biblioteca Municipal de Monção

Plataforma criada por spin-off da UMinho para a CIM Alto Minho agrega 300.000 documentos

 Os 300.000 documentos das bibliotecas públicas dos dez concelhos do Alto Minho estão agora agregados no portal de pesquisa bibliotecas.altominho.pt. O projeto foi desenvolvido pela Keep Solutions (spin-off tecnológica da Universidade do Minho) para a Comunidade Intermunicipal do Alto Minho e cofinanciado pelo Norte 2020.

 

A plataforma lista o acervo das bibliotecas municipais de Arcos de Valdevez, Caminha, Cerveira, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença e Viana do Castelo. Estão ainda agregadas várias bibliotecas escolares e associativas daqueles concelhos.

 

Esta ferramenta digital baseia-se no software Retrievo, que permite juntar conteúdos de diferentes fontes e facilitar a pesquisa do utilizador num “motor de busca” central, surgindo depois o resultado da pesquisa de forma detalhada, no contexto original e com vários filtros, como data, autor, biblioteca recetora ou tipo de documento (brailleebook, livro, manual escolar, manuscrito, material gráfico, multimédia, periódico, slide…). O portal é designado “Rede Intermunicipal das Bibliotecas Públicas Municipais do Alto Minho” (RIBAM).

 

“Trata-se de um novo elo de ligação, em especial para os 230.000 cidadãos alto-minhotos que partilham uma herança cultural rica e, agora, um património documental imenso”, referem os promotores. O projeto quer prestar serviços de informação adequados a cidadãos, empresas, associações e grupos de interesse, contribuindo assim para qualificar a oferta das bibliotecas públicas, modernizar os sistemas tecnológicos e consolidar laços com a comunidade: “É uma outra dimensão do papel das bibliotecas, um trabalho em rede e colaborativo, em prol do conhecimento e da preservação da cultura, apenas à distância de um clique”.

 

O autores mais referenciados no acervo são Ana Maria Magalhães, Walt Disney e António Torrado, o que revela o destaque dado à literatura infantojuvenil. O espólio geral inclui inúmeras obras, desde "Antologia de poetas do Alto Minho", de Laureano Santos, "A garrana", de Matilde Rosa Araújo (de raízes monçanenses), "A casa grande de Romarigães", de Aquilino Ribeiro e sobre Paredes de Coura, "O segredo da rainha velha", da caminhense Fina d'Armada, "Pedro Homem de Mello escreveu, Amália Rodrigues cantou", de Matias de Barros (inclui o célebre “Havemos de ir a Viana”), além de esboços do escultor José Rodrigues, cofundador da Bienal de Cerveira, e vídeos de Modesto Miranda sobre a Vaca das Cordas, o rio Lima, o folclore e romarias como Sra. da Peneda.

U.M.

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

TURISMO DO PORTO E NORTE CONSIDERA ENOTURISMO ESTRATÉGICO PARA MONÇÃO E MELGAÇO

 Em plena época das vindimas, o Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) esteve em Melgaço para acompanhar a colheita 2020 e descobrir as potencialidades desta Sub-Região dos Vinhos Verdes com foco no turismo sustentável. A visita decorreu na Quinta de Soalheiro, primeira marca de alvarinho de Melgaço, onde tiveram a oportunidade de conhecer um projeto de Enoturismo que vai muito para além do vinho, pois assenta nas potencialidades do território, dos produtos e dos serviços locais de qualidade.

Inácio Ribeiro, vice-presidente do TPNP parabenizou o projeto que, salientou, “vai muito para além do vinho. Nós, no Turismo Porto e Norte, temos excelentes territórios para promover, mas precisamos de produtos nesses territórios que nos ajudem a convencer os visitantes a cá virem, a ficarem e, acima de tudo, a levarem as melhores razões para os recomendar”. “E a aposta do Soalheiro numa oferta integrada contribui para isso mesmo. Através do vinho estão a alavancar um projeto assente no território, assente no enoturismo, o que para nós é muito importante, pois podemos levar como bandeira um produto que nos ajudará a voltar aos 5 milhões de visitantes no Porto e Norte, a fazer com que os turistas fiquem mais do que as duas noites que se alcançou em 2019 e que continuem a visitar este maravilhoso Minho”.

Para os produtores Soalheiro, Maria João Cerdeira e António Luís Cerdeira, as expetativas acerca da qualidade desta colheita são as melhores e acreditam que este ano será desafiante, mas que é fundamental continuar a trabalhar para criar uma oferta turística integrada, fundada na qualidade do território, dos produtos e dos serviços. Maria João Cerdeira garante que o foco continua a ser “conseguir um bom produto, uma matéria prima de grande qualidade para depois na adega ser trabalhada de forma adequada”. Reforçando “Esta é a base de tudo. Nós queremos estar no território como a natureza está. Melgaço tem muitas potencialidades que fazem deste local especial. Melgaço não é só vinho ou vinha, é um destino a descobrir”. António Luís Cerdeira acrescenta que “2020 será um ano de grandes vinhos, mas também de grandes oportunidades de desenvolvimento do território. A título de exemplo, inauguramos a Casa das Infusões, uma casa de alojamento local, e estamos a desenvolver, através do Clube de Produtores de Monovarietais de Vinho Verde, promovido pelo Soalheiro, o projeto ENOTOUR que tem como objetivo criar uma rede de entidades que promovam um turismo direcionado para a sustentabilidade ambiental, social e económica e, ao mesmo tempo, promover o Turismo na região de Monção e Melgaço, território alvo nesta primeira fase do projeto".

O “ENOTOUR – Promoção do Turismo Sustentável no Território dos Vinhos Verdes e do Alvarinho de Monção e Melgaço” prevê ainda a criação de uma plataforma digital colaborativa que reunirá conteúdos e percursos onde se explorará a realidade aumentada, aliando a tecnologia à tradição, história e culturas locais.

                                                                                                                                                        TJ 

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

DESPISTE E CAPOTAMENTO EM RIBA DE MOURO FAZ UM FERIDO

O despiste de um veículo ligeiro, seguido de capotamento, causou esta segunda-feira ferimentos numa mulher.  em Riba de Mouro, em Monção.

Fonte dos Bombeiros Voluntários de Monção adiantou à Alto Minho Tv que um veículo ligeiro despistou-se e capotou, tendo a vítima ficado encarcerada. Uma mulher com “cerca de 65 anos” foi transportada para o Hospital de Viana do Castelo com ferimentos considerados ligeiros.

O alerta foi dado às 11h20 para um acidente na Estrada Municipal 503, conhecida como estrada de Santo António.

Ao local compareceram sete operacionais e duas viaturas dos Bombeiros de Monção, a ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) de Melgaço e a GNR.

sábado, 12 de setembro de 2020

PATRÍCIA OLIVEIRA DESENVOLVE RESIDÊNCIA ARTÍSTICA E EXPÕE NO MUSEU DO ALVARINHO E CINE-TEATRO JOÃO VERDE

 “O meu corpo transfronteiriço” é o nome da exposição que, na sala Terroir do Museu do Alvarinho e na galeria de arte do Cine Teatro João Verde, a escultora monçanense Patrícia Oliveira hoje inaugura, a partir das 17h.

A iniciativa decorre no âmbito das iniciativas da Plataforma de Arte e Cultura e mantém-se aberta ao público até 17 de outubro.

Lembremos,  ainda, que Patrícia Oliveira está a desenvolver a residência artística Projecto Amar o Minho. Trata-se de um trabalho e pesquisa em torno da lã, iniciado em 17 de julho, e a desenvolver até janeiro de 2021  para o município de Cabeceiras de Basto, aldeia de Bucos com as mulheres de Bucos. Uma curadoria (Arte em Espaço Público) da Helena Mendes Pereira/Zet Gallery.

Algo que também passou por uma iniciativa/aula na Casa da Comenda.Távora. Santa Maria. Arcos de Valdevez.

Tem sido, porém, com as Mulheres de Bucos, na Casa da Lã- Cabeceiras de Basto, tempo de aprender a fazer fio, a esgadelhar, a pentear, a cardar e a fiar, uma técnica guardada estes anos pelas mulheres que requer paciência, muita paciência e persistência, conforme nota a artista.

Trata-se de um evento inserido no programa de Residências Artísticas do AMAR O MINHO, promovido pelo consórcio MINHO IN (constituído pelas comunidades intermunicipais do Alto Minho, Ave e Cávado).

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

COVID 19: SITUAÇÃO AGRAVA-SE NO PAÍS E MONÇÃO TEM 19 CASOS ATIVOS REGISTADOS

 Monção já tem 19 casos ativos de Covid 19. Algo que se sabe no mesmo dia em que Portugal regista 687 novos casos de infeção com o novo coronavírus, o maior desde dia 16 de abril, há quase cinco meses.

Até ao momento, Monção teve 149 casos de Covid 10, estando 117 curados e tendo-se verificado 14 óbitos.

No total do Alto Minho, há 153 casos ativos, num total de 829 casos já registados e 56 óbitos.

Viana do Castelo é o concelho com maior número de casos ativos (51), seguindo-se Ponte da Barca, com 23, e Valença, com 19. Depois de Monção (18), está Caminha, com 13, Ponte de Lima , com 12, Arcos de Valdevez, com oito, V. N. Cerveira, com sete, Melgaço e Paredes de Coura, com um cada.

DESPORTIVO JÁ ESTÁ NA 2ª ELIMINATÓRIA DA TAÇA DE PORTUGAL

O Desportivo de Monção acaba de ficar diretamente apurado para a 2ª eliminatória da Taça de Portugal. 

Ontem, no sorteio realizado na Cidade do Futebol, em Oeiras, o clube monçanense ficou isenta da eliminatória inicial, seguindo assim automaticamente para a fase seguinte.

Nos restantes jogos, a disputar no próximo dia 27, quanto às equipas do Alto Minho, o Vianense vai a Amares, o Limianos a Bragança e o Cerveira recebe o Brito S.C. (Guimarães).

FERIDOS EM ACIDENTRE ENTRE CAMIAO DO LIXO E AUTOMÓVEL LIGEIRO

 Um  trabalhador da recolha do lixo de Monção, com cerca de 40 anos, sofreu ferimentos graves na sequência de uma colisão entre o camião de recolha de resíduos e um automóvel ligeiro, ontem à noite, pelas 22h30, no lugar de Formigueira, freguesia de Pinheiros.

Segundo O Minho, o camião terá colidido com a viatura, acabando por embater contra um muro, provocando ainda ferimentos ligeiros em mais duas pessoas. Todas as vítimas seguiam nos lugares sentados do camião.

O trabalhador em estado grave foi transportado de helicóptero para o Hospital de Braga.

Um dos feridos, que terá cerca de 30 anos, recusou transporte hospitalar enquanto que o outro, também com cerca de 40 anos, foi transportado pela SIV de Melgaço para o Hospital de Santa Luzia (ULSAM), em Viana do Castelo.

No local estiveram os Bombeiros  Voluntários de Monção, com nove operacionais e duas viaturas, os Bombeiros de Valença, com uma ambulância e dois operacionais, as ambulâncias SIV de Melgaço e de Valença, para além do helicóptero do INEM. A GNR também esteve no local a registar a ocorrência.

terça-feira, 8 de setembro de 2020

GRANDE INCÊNDIO EM LUZIO

 Um incêndio que deflagrou cerca das 17h08, em Leiradelo, na União de Freguesias de Anhões e Luzio, concelho de Monção, “lavra com bastante intensidade e próximo de habitações”.

Fonte da proteção civil adiantou à Lusa que “os habitantes de Leiradelo, que está integrada no programa Aldeia Segura/Pessoa Segura, poderão vir a ser evacuados das suas casas”.

Cerca das 22h00 combatiam este fogo 75 operacionais e 21 viaturas. Segundo informações, estavam no terreno três brigadas de sapadores florestais, duas de Monção e uma dos Arcos de Valdevez, num total de 15 elementos.

sábado, 5 de setembro de 2020

VINDIMAS DESTe ANO PERSPETIVAM VINHO DE MAIOR QUALIDADE

 A empresa Soalheiro (Melgaço) e a Adega Cooperativa de Monção, dizem que a vindima deste ano vai ser de “qualidade” superior à do ano passado.

Vamos ter uma colheita para fazer esquecer estes momentos difíceis”, disse esta quinta-feira o gestor e enólogo dos vinhos Soalheiros, Luís Cerdeira, salientando que as uvas estão a beneficiar de um “clima espetacular em termos de temperatura“.

Luís Cerdeira explica que este final de ciclo “levou a uma maturação mais lenta com a manutenção da frescura aromática e gustativa”, o que diz apontar para “um ano de produção média em termos de quantidade, com expectativas muito otimistas em relação à qualidade“.

O presidente da Adega de Monção, Armando Fontainhas, fala em “expectativas de uma qualidade muito boa” e também observa que “o mês de agosto correu muito bem para a maturação” das uvas, o que proporcionou “uma relação entre a acidez e o grau de açúcar com muito equilíbrio“.

Os dois responsáveis referiram, ainda, que as respetivas adegas irão seguir as normas sanitárias da Direção-Geral da Saúde para prevenir a covid-19. “Fizemos marcações das vindimas para data específicas e não haverá cruzamentos entre os produtores que entregam as suas uvas e os nossos funcionários”, exemplificou Luís Cerdeira.

A Soalheiro tem parcerias com “cerca de 150 produtores locais, os quais garantem “60% das uvas” que permitem a esta empresa fazer todos os anos, em média, “700 mil garrafas”, a esmagadora maioria de vinhos alvarinho, a casta rainha da sub-região de Monção e Melgaço.

Na Adega de Monção, “os cooperantes que vão entregar as suas uvas não podem sair das suas viaturas” e tudo foi planeado para “evitar ao máximo qualquer contacto físico”, destacou Armando Fontainhas. “A medição da temperatura corporal” está entre as medidas preventivas adotadas.

Luís Cerdeira disse que a sua empresa foi a primeira da sub-região a vindimar, ainda em agosto, e “duas semanas antes” já haviam vindimado as castas ‘pinot noir’ e ‘sauvignon blanc’, tendo anunciado “dois novos vinhos baseados em terracota à moda georgiana”.

“Comprámos 12 ânforas novas de terracota, cada uma de 350 litros”, informou, acrescentando que a origem desse vasilhame está na Geórgia, um país situado a sul da Rússia, na fronteira da Europa com a Ásia, e que a Soalheiro fez “uma parceria com dois georgianos, um especialista em enoturismo e outro em enologia”.

O enólogo explicou que irá “fazer algo novo nos alvarinhos clássicos”, explorando as vantagens que a altitude confere aos vinhos, e anunciou também “um alvarinho em contacto com as películas, como se faz nos vinhos tintos e se fazia na Geórgia”.

Lusa

MONCAO É O SEGUNDO CONCELHO DO ALTO MINHO COM MAIS CASOS DE COVID

 Com 10 casos ativos confirmados, Moncao é, após Viana do Castelo, que tem   45 casos, o concelho com mais casos, mais de metade no distrito. Seguem.se Caminha e Ponte de Lima, com nove casos.

Ponte da Barca regista oito, V N Cerveira tem cinco e Valença apenas um.

Paredes de Coura, Melgaço e Arcos de Valdevez não t^em qualquer caso ativo registado.

quarta-feira, 2 de setembro de 2020

ECOVIA COM TROÇO ENTRE PEDRA FURADA E PARQUE DAS CALDAS

                                                                                                             Foto: José Manuel L. Nogueira

A assinatura pública do Contrato de Requalificação da Área Ribeirinha do Rio Minho - Ecovia do Rio Minho - Troço Pedra Furada – Parque das Caldas, , numa extensão próxima de 600 metros, investimento realizado no âmbito do Programa Valorizar, vai decorrer esta sexta-feira, dia 4, pelas 11h45.
Deste modo, a  ecovia que vem do Parque da Lodeira vai unir-se ao passadiço de madeira do Parque das Caldas. 
São cerca de 183 500 euros, registando.se uma comparticipação na ordem dos 70 por cento.  
Está prevista a sua continuidade por mais três quilómetros, até à freguesia da Bela,

 A cerimónia decorrerá no no Cine Teatro João Verde, em Monção, sendo presidida pela secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

“DEMOGRAFIA: É Tempo … de dar mais Tempo à Natalidade e aos Fluxos Migratórios”

 

Fernando Pereira Cabodeira radicado, há vários anos, em Vila Nova de Cerveira, doutorou-se em Sociologia, no ano de 2017, na Universidade do Minho, tendo defendido a tese “Alto Minho: Horizonte 2040 – Prospetiva Demográfica e Social (Que Presente para o Futuro?)”. Atualmente desempenha a atividade de consultor e é investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da UM. Tem publicado, na imprensa, vários artigos de opinião, nomeadamente de âmbito social e político. É uma figura conhecida no Alto Minho e também de muitos monçanenses. Foi deputado do PS, delegado distrital do Instituto da Juventude e autarca, entre outros cargos. Natural do vizinho concelho de Arcos de Valdevez e radicado em V. N. Cerveira.

Cabodeira vai agora apresentar o livro “DEMOGRAFIA: É Tempo … de dar mais Tempo à Natalidade e aos Fluxos Migratórios”. Trata-se de uma publicação refletiva, analítica e projetiva sobre as questões demográficas na Europa, em Portugal e, especificamente, no Alto Minho, auscultando autarcas e cidadãos. Com a chancela da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, do CECS da Universidade do Minho e das Edições Afrontamento, a sessão pública de lançamento está agendada para o próximo dia 11, uma sexta-feira, pelas 18h00, no Jardim do Solar dos Castros, em Vila Nova de Cerveira.

“Será que o Alto Minho é o espelho do país e que o país reflete o Alto Minho?”. Em nota que o município cerveirense nos fez chegar refere-se ser, esta questão, o ponto de partida de uma investigação em torno dos desequilíbrios demográficos e das políticas de natalidade e de imigração, como um dos maiores desafios que pairam no mundo, e aos quais a região alto-minhota não passa indiferente, obrigando ao estabelecimento de novas prioridades para a agenda do futuro.

“DEMOGRAFIA: É Tempo … de dar mais Tempo à Natalidade e aos Fluxos Migratórios” está organizada em quatro partes: numa primeira fase, o autor contextualiza a investigação, identificando causas e consequências da atual realidade demográfica em Portugal e procurando soluções que revertam a atual dinâmica regressiva; segue uma análise pormenorizada, através de questionário, às medidas adotadas ou a adotar pelos municípios portugueses como estímulo à natalidade; recorrendo a um estudo de caso, a terceira parte do livro apresenta uma análise da fecundidade no Alto Minho, auscultando os cidadãos sobre as perspetivas e intenções de constituição de família, motivos e condicionantes, fazendo a comparação com o inquérito nacional à fecundidade (2013); e, por fim, os movimentos migratórios erráticos registados devido aos diversos focos de conflito que implicam, na ótica do autor, a necessidade de se pensar na repovoação e na dinamização social pela via da integração social das comunidades que pretendem novas formas de vida, novas necessidades de orientação social e familiar e novos espaços de descoberta, além de se refletir na repovoação pela via da fecundidade.